Você perguntou: Qual a tributação de uma corretora de seguros?

Qual é o lucro de uma corretora de seguros?

estimado mensal do corretor foi de R$ 3 mil. Ou seja, este seria o valor que o corretor poderia usar plenamente para seus gastos pessoais. Já se a taxa passa para 15%, o lucro passa a, aproximadamente, R$ 9 mil.

Qual a diferença entre seguradora e corretora de seguros?

A seguradora é responsável pela venda de seguros variados, e a corretora possui um papel importante na intermediação do contrato com a seguradora. É a corretora que analisa as necessidades da empresa ou da pessoa física para ir em busca do melhor contrato.

Quais as vantagens de ser um corretor de seguros?

5 vantagens de se tornar um corretor de seguros!

  1. Participar de um mercado em constante crescimento. …
  2. Trabalhar com flexibilidade e autonomia. …
  3. Construir uma carreira diversificada. …
  4. Conquistar independência financeira. …
  5. Criar uma rede de contatos poderosa.

Qual o melhor regime de tributação?

No Brasil, existem, basicamente, três tipos de regime tributário para constituir uma pessoa jurídica: o Simples Nacional, o Lucro Real e o Lucro Presumido. Você já deve ter ouvido falar que, para micro e pequenas empresas, o Simples é o melhor regime tributário.

É INTERESSANTE:  Resposta rápida: Foi aprovado o fim do Dpvat?

O que é seguradora e corretora?

De uma maneira bem simples, podemos dizer que a principal diferença entre uma corretora de seguros, uma seguradora e um corretor de seguros é o serviço prestado. A proteção é oferecida pela seguradora, enquanto corretor e corretora só fazem a intermediação da sua contratação.

O que significa corretora de seguro?

A corretora de seguros é a empresa que faz a intermediação entre o interessado/segurado e a seguradora. Sua atuação é obrigatória. Ela presta assessoria ao cliente em tudo que diz respeito ao contrato assinado entre as partes. Diz-se que ela é uma representante oficial de seu cliente perante às seguradoras.

Qual o papel de uma seguradora?

A Seguradora é na prática, a empresa que, mediante o recebimento de prêmio pago pelo segurado, garante a cobertura e indenização ao segurado em caso de sinistro.

Como é trabalhar em uma corretora de seguros?

4 passos simples para se tornar um corretor de seguros

  1. Obter Certificação oficial da ENS. (antiga FUNENSEG) …
  2. Inscrição no IBRACOR. No dia 21/11/19 a SUSEP reconheceu o IBRACOR como instituição autoreguladora dos corretores de seguros. …
  3. Escolha entre trabalhar como PF ou PJ. …
  4. Realize o Cadastro nas Seguradoras.

O que é preciso para ser um corretor de seguros?

Para ser um corretor de seguros só há um caminho: obter a certificação junto ao Funenseg, que é a Escola Nacional de Seguros, a única instituição no Brasil apta a habilitar e certificar esses profissionais. Para conseguir o certificado é necessário fazer o Exame para Habilitação de Corretores de Seguros.

Qual a profissão de quem vende seguros?

O corretor de seguros é um profissional, que precisa estar registrado Superintendência de Seguros Privados (Susep) para intermediar e vender contratos de seguro, sendo o representante do segurado diante das seguradoras.

É INTERESSANTE:  Você perguntou: O que o Seguro de vida Itaú cobre?

Qual o melhor regime de tributação progressiva ou regressiva?

Se o plano foi feito como uma reserva para utilização na compra de um bem ou a realização de uma viagem ou evento em poucos anos, o regime progressivo será o mais indicado. No entanto, se o pensamento está diretamente ligado à aposentadoria e ainda há muitos anos para poupar, o regime regressivo será a melhor escolha.

Quais são os tipos de regime de tributação?

No Brasil são três os tipos de regime tributário mais adotados: Lucro Real, Lucro Presumido e Simples Nacional. No decorrer do artigo vamos falar melhor sobre cada um deles.

O que é melhor Lucro Presumido ou Simples Nacional?

Essa é uma das diferenças mais relevantes. Para se encaixar na categoria Lucro Presumido, a empresa deve ter uma receita bruta anual de R$ 78 milhões. Já no Simples Nacional, como vimos, os limites são bem mais baixos: o limite de faturamento para se enquadrar no Simples Nacional é de 4,8 milhões anual.

Seguros Mais